6 de jul de 2012

Poesia de Beto Acioli


Rosário dos Pretos

Rosário dos Pretos
Socorro do gueto
Cravada no morro
Antiga e calada
Quase abandonada
Reduto de escravos
Repulsa de forros

No subterrâneo
Atravessadouro
Conexas fontes
Expelem-se abundantes
Suas águas constantes
Pelas bicas em jorro

Na torre, seu sino
Corujas em agouro
Quebrando o silêncio
Tornando-se imenso
Mistério extenso
Em seu abrigadouro

Quando à meia-noite
As luzes se apagam
Tambores se calam
Lamentos e choros
Recordam a senzala
Tempos de mordaça
E açoite no tronco

Rosário dos Pretos
Vos dê proteção
Glória, redenção
Vós sois o socorro
Beto Acioli

Nenhum comentário: