7 de out de 2012


PRA NÃO DIZER QUE NÃO FALEI DO AMOR


Clóvis Campêlo


Pra não dizer que não falei do amor
despojei-me de qualquer medida,
encarei sem receio a própria vida,
sanei no verso torto toda dor;


busquei lembrar do brilho dos teus olhos,
do toque morno da língua em tua boca,
do teu corpo úmido, nú, sem roupa,
do teu regaço onde me recolho;


joguei por terra a vã filosofia,
transformei profundo abismo em ponte,
fiz do firmamento novo horizonte,
transpus em noite quente a tarde fria.


Pra não dizer que não falei do amor.


Recife, 2007

Nenhum comentário: