12 de ago de 2012

Poesia de Juliane Arruda



Bendita Maria 


Para Maria Pereira, a poetisa que conheci na caravana literária de Waldemar Lopes  e que não cabe em descrições. Em suma, alguém que marcou e marca demais a minha vida.


É preciso celebrar a vida enquanto há vida
É preciso dizer bom dia
É preciso dizer que te amo
Porque além do amor que sinto
Tu és Maria
A própria Ana também é

É preciso homenagear os que estão vivos
É preciso homenagear quem recita o poema
Homenagear quem está sentado ao seu lado
Porque foi assim que nos conhecemos
Numa poltrona de ônibus especial
Caravana de uma jornada literária
Cujo homenageado é imortal

É preciso escrever
Porque hoje mais um corpo foi sepultado
E o silêncio me faz gritar aqui
Porque se eu ficar em casa vou me trancar

À propósito o meu filho se chama Zayd
A vida continua no DNA dos que habitam o espaço
E há sempre outros para preencher
Mas hoje é dia de reencontrar
se...

Hoje é dia de te bem dizer
te...

Te amo
Porque a tua presença está cravada
Tinta estampada no branco da minha alma


Juliane Arruda

Nenhum comentário: