17 de jun de 2012

Poesia de Clóvis Campêlo


MORRER DE AMOR EU QUERO, MINHA AMADA


Clóvis Campêlo


Morrer de amor eu quero, minha amada,
buscando em ti o gozo derradeiro,
fazendo disso a última empreitada
e do teu colo um nobre travesseiro;
romper febril o alvor da madrugada
e encontrar um porto alvissareiro,
onde em silêncio encontre a calmaria
e veja a noite escurecer o dia.

Nenhum comentário: