22 de nov de 2011

Poesia de Valter Fernandes


Aedes aegypti
(Valter Fernandes)

Hospedeiro de morte
Hospedeiro de dor
Voa suavemente sobre o espaço tropical
Pousa sobre água limpa e parada
Lá, deposita os ovos de terror.
Tão pequeno e tão temido
Dentre os homens não tem amigos
Reproduz-se em larga escala
Faz feliz o seu amor,
Sua fêmea sanguinária.
Fere o infante em sua aurora
Fere o mais temido dos animais
Fere a alma da republica,
E de quebra causa pânico,
Sufocando hospitais.
Dor
Febre
Manchas
Diarreia
Moleza
O que esse danado quer mais?!
Podemos combater
Somos inteligentes
Fazer o que diz a mídia
Não ser indiferente!

Nenhum comentário: