25 de set de 2016

SPVO na Rádio Amparo FM 98.1

Dia 24 de setembro foi a estreia da SPVO na Rádio Amparo FM 98.1.  
Agora todos os sábados no horário das 19h às 21h  a Rádio Amparo FM terá uma programação especial com a participação dos poetas da SPVO  - Os ouvintes irão conhecer os poetas da Sociedade suas trajetórias e escutar muita poesia. 

Clique aqui para escutar a Rádio Amparo FM

13 de set de 2016

Poesia de João Diogo - Testemunho

TESTEMUNHO
 DE ANIVERSÁRIO DA MINHA ESPOSA MARIA DE LOURDES 

Quiz uma ode fazer
Para com isso reconhecer
Quanto de belo
Ele nos diz.
Ele pode ser lírico,
Divertido,
Romântico,
Pode até ser íntrinseco
E enriquecido
Pelo seu cantico.
Mas um poema
Eu quero dedicar:
Um poema de enaltação
E de carinho,
Um poema feito ao coração
Em brocados de arminho.
Um poema doce,
Quente,
Musical,
Um poema testemunhado
E agradado
Com todo o cerimonial.
A este louvor
Que eu vou versificar!
Em pétalas de amor
Em frases de encantar!...
É um testemunho superior
De quem soube encontrar,
Uma diva a supor
Mas musa a inspirar!...
Encantado me debruçando,
Teci canticos, desenhei ventura,
Aureólados de encantos
Numa simetria que  perdura.
Argumentei associando
Toda a beleza dum relicário!
Declamei e me vi cantando
Poema de Aniversário...!!!


RECIFE-20 de Maio de 2016- João Diogo 

12 de set de 2016

Poesia de Lucélia Gomes - A alma masculina


A ALMA MASCULINA
Confirma a espécie
difere do resto 
da criação Divina
determina o sexo
segundo as pesquisas
a natureza professa
todo homem é fecundo
tem na mulher uma musa
que nas curvas enlouquece...

E nem precisa ir muito longe
pra entender o universo do homem 
quando ele envolve-se 
não consegue disfarçar o olhar 
ocupa todos os espaços 
é um romântico inveterado
suspira reservado
sofre resignado
prefere não se expressar...

O time que torce 
é quase uma religião
a rotina determina a posição
é forte, impetuoso 
ao mesmo tempo sensível, doce
outros são grosseiros, violentos, audaciosos
não conseguem enganar por muito tempo 
eles carregam a semente do mal por dentro..

O homem racional 
expressa suas virtudes, é gentil
faz questão de mostrar que é viril
mergulha na alma feminina 
e quando pensa que domina 
no ato é dominado
E sem divã , nem analista
o meu ponto de vista é poético
admito, entro no mérito
admiro a espécie...

Lucélia Gomes - Brasil
Imagem do Google



Poesia de Valquer Santos - Ressocialização


RESSOCIALIZAÇÃO
Agora sim
Você pode se apossar de mim
Sentir meu abraço
Deliciar-se de um beijo só meu.

Tomei um porre miserável
Embarquei num rio de magoas
Bebi do ciúme 
Da ausência
E mergulhei na solidão do meu eu.

Ressocializei os nervos e o espírito.
Agora sim
Estou pronto para me envolver
Em teus braços
Com a promessa de nunca mais
Tomar outro porre.

Texto do livro: ALÉM DA SOLIDÃO

Valquer Santos

Convite para os Poetas


8 de set de 2016

Poesia de Lucélia Gomes - Independência ou morte!


INDEPENDÊNCIA OU MORTE !!!
Quando o grito pela independência ecoou 

os quatro cantos da Nação ouvia
E os corações cheios de alegria
foram tomados aos poucos
e em pedaços formaram um marco
deixando um rastro de dor
E alastrando-se por séculos
alimentando o ego dos que governam
no Processo Constitucional 
infere o lógico - divide o poder 
do TER, SER...
Vem desde a inconfidência 
Traição, Corrupção, Violência
e toda exploração latente
Mas, a esperança de toda a nação
mais uma vez se renova 
não há morte, quando não há alienação
a nação brada forte
e na palma da mão, crava a luta
ninguém destrói uma conquista justa
o povo aceita os grandes desafios
ainda que o quadro seja frio, sombrio
indique incertezas 
Os Brasileiros são valentes resistem
entendem a deixa
faz a Pátria amada Brasileira
o amor de uma vida inteira...

Lucélia Gomes 

Imagem do Google

6 de set de 2016

Poesia de Giselda Pereira - Pelas Ladeiras de Olinda


PELAS LADEIRAS DE OLINDA

Andando pelas ladeiras
Quanta beleza eu vejo
Sentar numa dessas calçadas
E declamar com emoção
E sentir
Que bate forte o coração...

Olinda...
Cidade de violeiros
De poetas cantantes
De seus ambulantes
Do gostoso amendoin
Tem torrado e cozinhado
Muito bem elaborado...

Do carrinho de milho verde
Também assado ou cozinhado...
Do Doce Japonês
Tão gostoso
Quanto um pote de melado...

Sentando na Praça do Carmo
Se vê uma bela igreja
Uma belíssima praça
Gente que vai namorar
Outros param pra conversar
E fica um poeta a olhar...
Uma BIBLIOTECA PÚBLICA
E na sua frente declamar...

E as serestas
O povo sobe e desce ladeiras
Cantando e tocando
Principalmente as sextas –feiras...

Essa Olinda tão bela
De tantos cancioneiros
Que os forasteiros se encantam
Quando ouvem seu cantar
Portas e janelas se abrem
Artista mostrando seu trabalho
Pra ver essa estrela brilhar
Olinda é um lindo versejar...


Giselda Pereira

Sarau da SPVO na Livraria Leitura do Shopping Tacaruna

Clique aqui para ver todas as fotos

19 de ago de 2016

Poesia de Sérgio Accioly - O Mundo



O Mundo


Quando o mundo diz ódio,
eu me digo amor.
Quando diz vingança,
eu me digo caridade.
Quando diz perdição,
eu me digo salvação.
Quando diz destruição,
eu me digo construção.

Assim, combato o mundo em mim;
Se todos fizessem assim,
viveríamos num mundo bem melhor!



Sérgio Accioly

Poesia de João Diogo - Partem aves aos bandos


Partem aves aos bandos


Eu sei
Que há muitas
Aves migratórias!
Como sei
Que em bandos,
Partem bem unidas...
Sei também
Que a aventura,
Fugaz e transitória;
Faz regressar os bandos,
Como sempre bem vindos.
Eu sei que a rotina,
É fruto da migração alada!
Que anualmente
Partilham,
Com a sua ausência!
Assim como também sei...
Que a área delas
É demarcada,
Pela natureza,
Que ao local
Dão a sua preferência.
É a emancipação das aves
Agrupadas...
Em sucessivas mutações
Aclimatadas!
A se interligarem
Enquanto ativas.
Porquanto juntas,
No seu vai e vem...
As aves deambulam,
Com a ligeirza
Que lhes advém,
Da orientação,
Instintivamente
Coletiva.

João Diogo



Recife, 05 agosto de 2016

27 de jul de 2016

Poesia de João Diogo - O mar dá e o mar leva

Fonte  Google Imagem

O MAR DÁ E O MAR LEVA

No silencio da noite...
Velho Mar me segredava!
Que nos seios das suas águas
Onde a vista não se espalha;
Há muita riqueza junta
Como de beleza ali criada,
Apesar das limitações
E da legitimidade
Que as igualhas.
Entretanto no seu todo;
O Mar é engrandecido
Pelos imensos dons que a Terra dá!
É louvável,
O que a Natureza presenteia,
Dando de graça,
O que nos traz.
No entanto,
É prematuro dizer,
Que o Mar tem encantos!
Como desumano
O que o Mar traz,
Das profundezas
Dos desencantos!
Para esses males
De tão grande império!
Que na terra mãe
Não tem remédio,
Apenas solidariedade
Permanente;
Demos conta, que para lá
Dos seus Oceanos, imensos,
O Mar se abstém
De ser um território extenso,
Ante uma superfície terrestre
Do qual depende, totalmente.

RECIFE-2 DE JUlHO DE 2016-

JOÃO DIOGO