12 de out de 2014

Poesia de Silvano Liyra - Olinda de Alma e Coração

Fonte: Ary art's

OLINDA DE ALMA E CORAÇÃO

Eu garanto que Olinda,
Tem história e riqueza,
É Capital da cultura,
Em natura mais beleza,
Do mundo é patrimônio,
E da História realeza.

Eu digo com franqueza,
Meu registro é Recifense,
Meu coração dá a dica,
De alma sou Olindense,
AS duas são importantes,
Não quero fazer suspense.

Numa coisa agora pense,
Bem famoso o carnaval,
Pra uns faz muito bem,
Não quero bem e nem mal,
Em vez de está com momo,
Eu busco o espiritual.

Eu acho muito legal,
Nossa orla é muito linda,
Rico o sitio histórico,
Pulmão é de nossa Olinda,
Duarte Coelho pereira,
O seu grito, ecoa ainda.

Sua beleza é infinda,
Tem mercado da ribeira,
As ladeiras de Olinda,
Boas para a brincadeira,
O farol é monumento,
Que tremula em bandeira.

Gente sentada em cadeira,
Apreciando os turistas,
O centro de convenções,
Feira até pra culturistas,
Madeiras ganhando formas,
Nos entalhes dos artistas.

Falam os comentaristas,
Linda a catedral da sé,
Foi ali daquele alto,
Em grito dado de pé,
Ano mil quinhentos,
Trinta sete ditou fé.

Eu sei que não é ralé
Dá telas com encantos,
As Pinturas pelo mundo,
Gente de todos os cantos,
Confirmando o grito dado,
Comum é descer aos prantos.

E sem causar espantos,
Algo muito inesperado,
Nos fundos do meu quartel,
No mar fui desenganado,
Eu estava me afogando,
Por outros eu fui tirado.

Oh! Deus muito obrigado,
Milagres, aquela praia,
O Bairro é os milagres,
Que outro ali não caia,
E apesar do afogamento,
Pra Olinda não dou vaia.

Eu já fiquei de tocaia,
Numa falha pescaria,
Sem peixes nesse intento,
Eu Subi na escadaria,
E propus em minha mente,
Que eu na orla moraria.

Na mente há calmaria,
Não moro em bairro nobre,
Sou morador de Peixinhos,
Onde comecei bem pobre,
Podia está em palacete,
Mas a fé tudo isso cobre.

Eu digo que se desdobre,
Naquilo que foi proposto,
Morando ainda na periferia,
Não alimente o desgosto,
Faça uma orla em sua mente,
Ame a vida e ponha gosto.

Pra brilhar alma e rosto,
Ladeira dos quatro cantos,
O Jacaré cá tem Praça,
Os Conventos somam tantos,
E para quem tem devoção
Não faltará neles santos.

Igrejas com muitos mantos,
Com ouro na arquitetura,
E remontando o passado,
Prova de grande postura,
E com o apoio do IPHAN,
Que funde fé com cultura.

E dentro dessa moldura,
Tem homem da meia noite,
Já o Carlitos de Olinda,
Antes dava muito açoite,
O clube Vassourinha tem,
Uns Cem anos de pernoite.

Continuo nesse afoite,
Tem o clube Elefante,
No ano cinquenta e dois,
Lá criaram esse gigante,
Vassourinhas nessa idade,
Pra quem disso é amante.

Certamente mais brilhante,
Os dados de nossa história,
Data Ano Mil quinhentos,
E trinta e cinco na memória,
O português Duarte Coelho,
Gritou ali com muita glória.

E nessa linda oratória,
Das Igrejas uma relação,
Tem Igreja do Amparo,
E Igreja da Conceição,
Igreja da misericórdia,
Listo a Sé e faço menção.

Sem fazer conspiração,
Dos Milagres a Igreja,
Falo de São João Batista,
Os militares na peleja,
A São José do Ribamar,
E de São Pedro reveja.

Sei que há quem corteja,
De São Sebastião eu vi,
De Bom Jesus do Bonfim,
A do Carmo dela eu li,
Nossa Senhora do Monte,
A de são bento é ali.

Da Graça também é aqui,
Guadalupe em pé está,
Convento de são Francisco,
De Santa Tereza é cá,
De Salvador do Mundo,
Tudo isso encontra já.

E saio um pouco de lá,
Deixo o meu registro agora,
Igreja Presbiteriana tem,
Umas dez eu cito agora,
Batistas aqui também muitas,
E Assembleia não está fora.

Aqui falo sem decora,
Para quem toma cachaça,
Vá tomando amis cuidado,
Muitos morrem na desgraça,
Olinda é muito encantadora,
Sem nenhum choro na praça,

Vou mostrar a minha raça,
Quantos Bairros rapidinho,
Perimetral, Casa Caiada,
Búltrins, Jatobá e Salgadinho,
Rio Doce e Umuarama,
Amparo , Carmo, Passarinho.


Cito outros com carinho,
Nunca velho, Bairro Novo
Sitio Novo e Aguazinha,
Jardim Brasil do meu povo,
Ouro Preto, Amaro Branco,
Carmo, Monte tem aprovo.

Nos bairros me locomovo,
Jardim Fragoso, Fosforita,
Sapucaia, Águas Compridas,
Santa Casa e Santa Rita,
Jardim Atlântico e Maruim,
No Sitio Histórico há visita.

Uma Cidade inaudita,
Tem o Alto da Bondade,
Caixa Dagua e RO,
Tabajara diz Cidade
Dois Unidos, Sapucaia,
Santa Tereza herdade.

Eu falo sem temeridade
Também alto da Conquista
No Alto do Sol Nascente,
Tem pobreza nessa lista,
A Vila Popular é perto,
Peixinhos é bem populista.

Por: Silvano Lyra (O Poetizante)
 www.poetizante.blogspot.com.br

Nenhum comentário: