26 de ago de 2014

Poesia de Carlos Gaiza - Pó



Carlos Gaiza

Quem dera,
pelo menos,
que a gente fosse lindo,
eternamente,
assim como o Ar e o Mar.
Mas não é assim não.

A poeira 
que estar em nossas casas, 
o tempo todo; 
a qual nos incomoda;
prima de caminhada; 
nos avisa, 
e nos lembra, 
e reafirma 
que iremos virar pó,
igual a ela.

Nenhum comentário: