14 de abr de 2013

Poesia de Pedro Cáceres - Meu Anjo


MEU ANJO


Vês, meu Anjo!
Meu escarnecimento é afogado de Ingratidão
O enterro embrionário de minha vida Tétrica
Foi tomado de Quimera

Esta pantera que é em mim
A intimidade desnuda de minha própria figura
Imunda de Lama fétida

Sou fera miserável
Que antes de morrer
Quer – também – matar no outro
Todos os sonhos de querer

Beijei-lhe a boca, meu Anjo
Com meu escarro
Afaguei-lhe a duas faces
Com a pedra cortante na mão
Para não esperar
A véspera
Pois esta
Muito tarda

(Em homenagem ao aniversário do poeta Augusto dos Anjos  - 20/04/1884 a 12/11/1913)

Nenhum comentário: