14 de jan de 2013

Poesia de Carlos Gaiza - Velharia e pão

Velharia e pão 
  
Carlos Gaiza

Quando vou pelas ruas, vejo as pessoas ficando velhas,
Umas, até estão feias.
Todas que vão andando, a gente nunca às viu antes,
mesmo morando na mesma cidade.
Os mendigos profissionais já não se ver mais. Foram substituídos.
As lojas são outras;
As barracas mudaram de lugar e de dono;
Os terrenos e prédios velhos são construções novas;
As marcas famosas e caras, já não existem mais,
são lojas de sapatos,
outras, de comida chinesa.
O consertador de guarda chuva já morreu;
As praças. Umas boas, outras feias. Mudaram pouca coisa;
As arvores foram podadas muitas vezes,
sempre cheias de cascas velhas, e empoeiradas. Muito feias.
O casario antigo. Se estão brigando com o patrimônio histórico.
Prá ver se pode, ou não, demolir. Anos a fio. E no fim, não dá em nada.
Enquanto isso: fica aquela feiura insuportável, com xixi e cocô de mendigo,
pra todo lado, um nojo só.

Mas a padaria continua lá, com seus filhos e netos.
Que coisa tão boa é uma padaria,
tudo leva a gente a se sentir bem,
o visual dos derivados do trigo,
o pão quente, o pão doce de coco, o tareco, os bolos variados,
os salgadinhos e doces de montão.
Tudo ali bem bonitinhos.
Às vezes a gente sai de lá
rasgando nos dentes, um pão francês, pelo meio do caminho,
disfarçando e escondendo a sobra no saco do pão,
e logo come o resto.
Afora as baratinhas com ratos passeando, o de resto é muito bom.

Nenhum comentário: