8 de set de 2012

Poesia de Regina Helena

 
 
Écos
Espalhando sentimentos entre entes e coisas,
Fecho janelas ignorando luzes e acendendo cismas.
Caminhos que eram meus, vertentes conhecidas,
Encantos desfazendo exceções e decisões imprecisas.
Fome e sede bendizendo anjos e colorindo prados
Guardam-se na memória de um tempo
Que se fez ouvir em écos de segrêdos
E se desejou sem pedidos e proibições.
Gentilezas sem preocupação de agradar
Que minhas mãos revelam entre fumaças
Sem reticências da alma e do espírito.
Vida profundamente sentida, domínios do passado...
Velhice que encontra sem espantos,
A menina que sonhou com a Terra Prometida
E atravessou, levada pelos ventos,
Ąs fronteiras de um país ainda inexplorado,
No qual os sinos dobram intermitentemente
E os sonhos são todos sepultados.
 
Regina Helena
 
 

3 comentários:

Edína Araújo disse...

Amei essa sociedade dos poetas vivos de Olinda.
Amei as poesias as quais já li algunhas de Regina Helena.Ela fala muito com a alma e o coraçao.
Parabéns!!!

Felicidade é poder ver vc aqui!bjs disse...

Regina Helena
Escreve tudo que sinto e algo mais.
Grande!poetisa.Amei!!!!

Felicidade é poder ver vc aqui!bjs disse...

Quero comprar livros e cds...
Nossa! me fez chorar!!!
Tudo muito bonito.