17 de jun de 2012

Poesia de Margarett Leite



Poesia no bar do Déo Largo do Amparo
(poesia de Margarett leite)

Em uma noite calorosa a poeta é acolhida
ainda meio desajeitada com os boêmios da vida
... Perdida com os burburinhos noturnos
pousa poeta borboleta

Com asas de poesia
pousa poeta no bar do Déo
no meio do mundo
ventre sem véu

Entre fervilhantes emoções
risos falas e turistas
surge a poetisa em Olinda

Poesia na cabeça emoções no coração
ruídos noturnos sons e Olinda na mão
não bebendo e nem fumando
Mas amando essa emoção
bar do Déo meio do mundo
saem poemas na mão

A poeta se aconchega nesta noite especial
sem beber e nem fumar
trás poesia no avental

Na vida passa Maria
passa Pedro
e passa João
pertinho lá no amparo
igual ao bar do Déo não tem não.

Nenhum comentário: