9 de nov de 2011

Poesia de Francisco Monteiro


VELHO CHICO

Velho Chico, o maior rio nacional
És dádiva dos céus, presente divino
Eu percorria tuas margens quando menino
Sonhando sempre ser como tu: Imortal!

És único, ah! E não há nada igual
Que se compare ao teu brilho matutino
A fertilidade do solo agrestino
Deve-se a tua bondade abissal

Alegria dos meus tempos d’outrora
Eu brincava no teu leito de amplidão
Hoje distante, minh’alma triste chora

O meu Nordeste a ti deve devoção
Bondoso, corres agreste vida afora
Silencioso, levas vida ao sertão.
Francisco MonteiroGuarulhos/SP

Nenhum comentário: