23 de jul de 2011

Poesia de Regina Helena


REFLEXÃO                                                                          
Os dedos do tempo apontam para o relógio
Onde as horas deslizam como aviso
Numa linguagem que tira o peso das palavras
Mas sustentam o invisível.
Transcrevendo o antigo,
Na exatidão do passado,
Adivinho o que virá,
Contemplando as estruturas de um poder
Que se define por imagens.
Tempo sem tempo...
Memória que não cansa...
Peito rasgado pela mão da vida,
Acolho e agasalho a luz que se apaga.
E na trilha, sem escolhas,
Aguardo o vir do novo dia...  

Regina Helena

Nenhum comentário: