1 de jul de 2011

Poesia de Madalena Castro

SÚPLICA DE UM RIO


Minhas águas eram limpas
Já fui até caudaloso
O meu leito era formado
Por um terreno arenoso

Matei a fome dos pobres
Com os peixes que criei
E com minhas águas puras
A sede de outros matei

Com a chegada do progresso
O homem foi me apertando
Aterrando minhas margens
Pouco a pouco me matando

A um simples riachinho
Sinto-me hoje resumido
Ninguém ouve minha queixa
Ninguém ouve meu gemido

Sofro ao ver minhas águas,
Aos poucos, se evaporando.
Que os homens me preservem
Estou aqui suplicando.

Madalena Castro

Nenhum comentário: