5 de set de 2010

Poesia de Socorro Miranda


Roupas no varal



Quando lavo

Toda a roupa

E estendo no varal

Sento na cadeira de balanço

Fico a me balançar

Ao sabor delas ao vento

Sinto orgulho da minha arte

Em criar roupas bandeiras

Vejo quanta coisa nelas

Consigo assim revelar

Embarco na brincadeira

Vejo um médico no jaleco

Um estudante na malha colegial

Noutra malha irreverente

Vejo um bloco de carnaval

Lençóis parecendo nuvens

Times de futebol

Blusas rosa de menina

Outras com cara de menino

E assim vou deduzindo

O que se gosta na casa

Olho e viajo nas roupas

Que gosto de admirar

Penso que dá para perceber

Ter uma visão geral

De como é a vizinhança

Só de observar

E ficar analisando

Sua roupa no varal.



...

Nenhum comentário: