9 de ago de 2009

Poesia de Carlota Vasconcelos

Mundo

Paraíso rédeas de torpor insone
Calando o distúrbio seco e oco do tempo
Adormece a alma na insanidade estranha e
imaculada das horas, falando normas
Catalogando circunstâncias que viveu

Identidade convicta, perpassada de desvios
Combinando indulgências de dons e alegoria de brios
Sobrevive a si mesmo, num triunfo espetáculo
Chafurdando entre estrelas, mel, areia e sombras
Elegendo o destino esculpido no vento em breu.

Nenhum comentário: