26 de jul de 2009

POESIA DE JARDEL FRANÇA




CANÇÃO AO RIO QUE MURMURA


Eu, este rio que corre manso.
E manso desafia as pedras em busca do mar.
Corre impulsivo e determinado.
E determinado desafia a terra em busca do mar.
Chora ao bater das grossas raízes
E chorando de contentamento busca o mar.
Não corre sozinho.
Porque a solidão com ele vai
A saudade do que viu e que ficou para trás o acompanha.
E tais companhias com ele seguem, em busca do mar.
Se a dor da saudade o aflige no percurso
A alegria do encontro o torna feliz.
E se felicidade é ter consciência do caminho que corre.
Corre manso este rio em busca do mar.
Não espera elogios no seu murmurar
Porque a avidez do que procura segue com ele em silêncio.
E silencioso este rio busca,
Busca banhando a terra ao encontro do mar.
A criança que nele se banhou, ali deixou luz de inocência.
E inocente este rio busca, sorrindo e chorando o encontro com o mar.
A mulher que nele mergulhou, ali deixou a essência e o sonho.
Porque sonhando este rio vai.
Vai semi-acordado ao encontro com o mar.
Eu, este rio que corre manso.
E manso desafia a vida em busca do mar.

Um comentário:

Anônimo disse...

Nossa! Vc é magnífico.
Parabéns por esse dom! Farabucha...