30 de set de 2008

HOMENAGEM - MARIA DO CARMO BARRETO CAMPELO


O ECO DE TUA VOZ EM NÓS RESSOA
André Cervinskis
Escritor e ensaísta

Pediram-me para escrever um depoimento sobre Maria do Carmo Barreto Campello de Mello. De fato, penitencio-me hoje, após sua partida, nunca ter escrito um ensaio sobre sua obra, que tanto influenciou minha trajetória literária. Portanto, o que escreverei aqui será exatamente o que me pediram: um depoimento.
Conheci Carminha por conta de minha amizade com a família Barreto Campello, na Torre. Na época, timidamente escrevinhando alguns versos e ensaios, recomendaram-me mostrar a ela, pois, diziam, sempre acolhia com generosidade aos jovens que a procuravam. Assim sendo, mostrei meus trabalhos. Carminha, maternal e familiar, me presenteou com seus livros. Um de que nunca me esqueço foi RETRATO ABSTRATO. Tirado dessa antologia com alguns de sues primeiros e principais livros, os versos a seguir há muito vêm marcando minha trajetória de escritor, que já vai com cinco livros:

DUAL

É tempo de pressa/ é tempo de dor./ dá-me a chave/ ah, dá-me a chave/ de ti/ que nas soleiras te decifro./ Inconclusa/ te necessito/ para ódio ou para o amor/ que já me fui e tanto/ em ti/ que já não sei/ se Sou ou És:/ se falas/ ouço a minha voz/ se te estranho/ a mim repilo/e não sei se te amando/ é a mim que amo.

(...)

Digo meu nome/ (e não é minha a voz)/ e pouso os braços/ com teus cotovelos./ Reparo agora:/ com teus pés caminho/ (sendo meus os passos)/ e se digo/ te amo/ já não sei/ se é o eco do que dizes/ e em mim ressoa.

Fiz questão de citar este poema, pois ele, embora “dual’, é um todo poético, revelação lírica. Curioso que tais versos, confessaram-me amigos íntimos de Carminha, foram escritos para seu filho já falecido, Lula. O que nos desperta ao lê-los, no entanto, é a declaração da entrega de um amado a outro. Sua poesia era assim: religiosa, metafísica, mas também profundamente humanista e erótica (de um erotismo elegante), despertou em mim o gosto ainda maior pela literatura.
Por conta dela, concorri e ganhei a menção honrosa de ensaios na Academia Pernambucana de Letras, em 1994. Mais de dez anos depois, em 2006, ao lançar esse ensaio, dediquei-o à Maria do Carmo Barreto Campello de Mello, pelo estímulo e apoio. Ela escreveu um pequeno comentário de orelha para esse livro, que, embora com imperfeições, foi bem acolhido pela crítica. Vou aqui confessar uma coisa: Carminha me segredou que eu era melhor crítico que poeta. Na época, jovem e impetuoso, não ouvindo muito conselhos, insisti nessa carreira, o que me fez publicar um primeiro livro, Oficinas do Corpo, como que para provar o contrário. Na verdade, anos mais tarde, vim a perceber a sabedoria e generosidade dessas palavras. Palavras sinceras, de quem só queria, de fato, o bem de todos que a procuravam para ouvir seus conselhos e críticas construtivas. Desse dia em diante, portanto, passei a dedicar-me com mais afinco à área de ensaios, o que já me rendou mais dois prêmios na própria academia.
Carminha era firme em suas posturas ideológicas, mas amável, fraterna; sua poesia retratava um pouco de sua vida de doação integral aos amigos e à família. Uma poesia que já começou madura, pois que ela publicou o primeiro livro já mãe e trabalhadora, funcionária pública de diversos órgãos por longos anos, para ajudar no sustento de numerosa prole. Depois de aposentada, ainda mais se dedicou à literatura, escrevendo, inclusive, ensaios, outra grande habilidade desta mulher múltipla e completa. Ensaios nos quais demonstrou sua paixão pela poesia, fazendo-nos deleitar com descobertas inusitadas do autor ao qual se debruçava.
Deixa-nos Carminha uma saudade alegre, pois a lembrança da doce convivência com ela nos impulsiona a seguir, com coração e braços abertos para a poesia e os amigos, reconciliando-nos com Deus, o homem e a família.
Olinda, 04 de agosto de 2008



***************************



Maria do Carmo Barreto Campello de Melo
Biografia



Nasceu no Recife em 21 de julho de 1924. Passou parte da infância no antigo Engenho da Torre e no Rio de Janeiro, para onde foram seus pais, Lilia Araújo Barreto Campello e o Jurista Francisco Barreto Campello e seus doze irmãos. Retornou à cidade natal onde casou com o Engenheiro e Fotógrafo Prof. José Otávio de Melo, oito filhos, engenheiros,arquitetos, médicos e advogado, todos herdaram dons artísticos que já estão sendo passados para seus dezesseis netos e um bisneto. Sua poesia não segue padrões métricos. Seu verso é livre e a sonoridade é o fator determinante na composição. Seus poemas surgem de uma profunda inspiração e em geral já lhe chegam à mente prontos, sendo submetidos apenas a pequenos tratamentos literários. Essa forma encarar a composição poética assemelha-se à dos gregos antigos, que viam a poesia como um dom das Musas; segundo a autora, a inspiração é um dom do Espírito Santo. A “religiosidade católica” é um dos principais temas na poesia de Maria do Carmo. Outros temas recorrentes são o “Eu”, o silêncio, a solidão, o amor conjugal e maternal, a família e os vegetais, em especial o flamboyant. Apesar de ter declarado seu livro “A Consoada”, de 2003 como sendo o último, Maria do Carmo prossegue escrevendo. No Natal de 2007 publicou um poema especialmente composto para a data, o que mostra que, apesar de não haver a intenção de publicar livros inéditos, sua poesia permanece viva e atuante. Atualmente está desenvolvendo um Projeto de Vida para ser lançado no ano de 2009 o do livro “SEMPRE POESIA, OBRAS COMPLETAS”, uma coletânea reunindo os poemas das suas treze obras, que será organizado pela sua neta Jornalista Ana Flávia Campello, com a participação de escritores amigos, artistas pernambucanos, e homenagem da família e um registro fotográfico da biografia da autora.
Formação Acadêmica
Diploma de Bacharel em Letras Clássicas e de Licenciada em Didática de Letras Clássica, pela Faculdade de Filosofia de Filosofia do Recife, e Pós-Graduação com os Cursos de Especialização e de Aperfeiçoamento em Literatura e Língua Portuguesa, pela UFPE e Jornalista profissional.
Curso de Língua Portuguesa (APL); Dinâmica de Comunicação (AIP); Literatura Brasileira Contemporânea; Relações Humanas no Trabalho(AIP); Elaboração Administração e Avaliação de Projetos (SUTEPE); Ciclo de Conferências sobre Segurança Nacional e Desenvolvimento (ADESG); Aplicação da Psicologia à Direção Pessoal (Myra e Lopes - SESI).
Formação Profissional
· Membro Efetivo do Seminário de Tropicologia (1973/75).
· Acadêmica Emérita da Academia de Artes e Letras de Pernambuco;
· Membro da Academia Pernambucana de Letras, Cadeira nº29.
· Membro da Associação de Imprensa de Pernambuco.
· Membro da União Brasileira de Escritores – UBE-PE.
· Membro Correspondente da ABRARTE Cultura Artística de Petrópolis.
· Colaboradora do Núcleo Freyriano da Fundação Gilberto Freyre.
· Técnica em Comunicação Social e Redatora do Serviço Público durante 25 anos na SUDENE.
· Professora de Latim, de Português, de Literatura Portuguesa e Brasileira.
· Aposentada ocupou os cargos de Técnica em Assuntos Culturais da FUNDARPE e de Chefe do Serviço da Delegacia do MEC-PE.
· Consultora Literária da Comissão de Lingüística da Academia Pernambucana de Letras – APL.
· Professora de Comunicação e Lingüística da Associação Arte e Vida.
Obra Poética
Música do Silêncio - 1º Momento: Os Símbolos; 2º Momento: Os Sobreviventes (1968);
Música do Silêncio - 3º Momento: Ciclo da Solidão (1971);
Música do Silêncio - 4º Momento: O Tempo Reinventado (1972);
VerdeVida: O Tempo Simultâneo; Música do Silêncio - 5º Momento: As Circunstâncias (1976);
Ser em Trânsito (1979);
Miradouro (1982);
Partitura Sem Som (1983);
De Adeus e Borboletas (1985);
Retrato Abstrato (1990);
Solidão Compartilhada (1994);
Visitação da Vida (2000);
A Consoada (2003),
Oratórios

· Autora do Oratório da Paixão juntamente com Bartyra Soares (encenado na UFPE, SUDENE, Mariapoles, Academia de Artes e Letras de Pernambuco e em diversos outros recintos)
· Autora do Oratório da Natividade (encenado na UFPE e na Praça do Entroncamento).
Participação nas Antologias
- Catálogo de Poesia; Palavra de Mulher; Seleta de Autores Pernambucanos; Poésie Du Brézil; Antologia Nacional de Poesia e Mulher na Poesia Pernambucana (Pasárgada), Retratos – Elizabeth Siqueira, UNICAP; Projeto Literatura nos Trópicos, lançado em Portugal e composto de três Livros, “Água dos Trópicos”, “Fauna e Flora nos Trópicos” e “Amor nos Trópicos”.
- Louvor Póstumo a Gilberto Freyre: Itinerário de Uma Admiração, juntamente com Rubem Rocha Filho
Tem inúmeros trabalhos críticos a autores brasileiros e estrangeiros.
- Sua obra foi objeto de Estudo do Texto: “A cultura da Melancolia” do Prof. Sebastien Joachim (UFPE). - Tese de Mestrado (UFPE) do Prof. Olivá Apolinário: “A Teoria da Recepção na Obra de Maria do Carmo Barreto Campello de Melo”. - Trabalho apresentado no Curso de Especialização em Literatura Brasileira (UFPE) pela universitária Maria da Conceição de Figueiredo: “A Lírica Feminina numa Leitura Comparada”.
- Realiza apresentações poéticas em forma de jogral com crianças e adolescentes carentes do Projeto Arte e Vida.
Prêmios
- Prêmio Othon Bezerra de Melo - Academia Pernambucana de Letras, em 1970;
- Menção Honrosa pelo Prêmio Manoel Bandeira do Governo do Estado, em 1972;
- Referencia Especial do Instituto Nacional do Livro, em 1978;
- Destaque de Literatura em 1989 (Prêmio H.Stern) - Destaque de Literatura do Baile do Artistas de 1990.
- Troféu Artista Guardião e Mérito Cultural, da Academia de Artes e letras de Pernambuco - AALPE
Comendas
- Comenda Maurício de Nassau, 2008
- Medalha do Mérito Heroínas de Tejucupapo, outorgada pela OABPE-CSMA/PE-ESA.
- Comenda Azeredo Coutinho.
Medalhas
- Medalha Comemorativa do Centenário da Academia Pernambucana de Letras - Medalha Comemorativa dos 25 anos da SUDENE - Medalha Comemorativa dos 135 anos do Teatro Santa Isabel.
Placas: - Clube dos Oficiais da Polícia Militar de Pernambuco, como Patronesse do II Concurso de Poesias – Dezembro 1985 - Comissão Julgadora do I Concurso de Poesias do Clube dos Oficiais da Polícia Militar 1984; - Participação na Comissão Julgadora do I Salão de Poesia de Pernambuco em 1994 (secretária).
Homenagens
- Escritora Homenageada – Ginásio Pernambucano (1994). - Escritora Homenageada – I Congresso Pernambucano de Literatura Brasileira de Estudantes da Escola Pública.
- Dia Internacional da Mulher I Seminário de Comunicação e Expressão Escola São Jorge. Biblioteca Pública de Pernambuco, em 2002.
- Homenagem do SINSEP-PE.
- Homenagem Especial da Faculdade Marista
- Destaque de Poesia do Baile dos Artistas 1990.
- Associação das Ex-Alunas Salesianas no V Encontro Nacional 1988;

Participação em Projetos

Projeto: Comunicação em Sistemas de Informação – para a Secretaria de Planejamento do Estado do Maranhão
Participação em Encontros, Congressos e Seminários de Jornalismo, de Comunicação e Literatura;
Comissões julgadoras de Concursos;
Debates sobre Literatura e inúmeras palestras em instituições acadêmicas, bibliotecas, universidades, escolas, órgãos públicos.
Seminário de Literatura Brasileira sobre Romance Português (UNIV.RECIFE); e Cerimonial de Conduta do Profissional na Sociedade (Nelson Speers – FATfH & WORK).
Representou o Brasil no IV Encontro Internacional de Poetas em Coimbra, Portugal.

Nenhum comentário: